domingo, 18 de outubro de 2009


Ouço uma canção...Ela fala de amor...De encanto...De beleza...De saudade...Então fico pensandoQue eu aqui sozinhaTambém sinto saudade...Saudade daquele amor...Daquela canção ao luar,Daquele beijo roubadoQue me deixou a meditar.Ouço uma canção...Nela me vejo entrar praProcurar o seu beijoQue por lá deixei passar...Ouço uma canção...Dela só quero encontrar...Aqueles sonhos que eu sonheiNaquela noite de luar...Ouço uma canção...Nela vejo emoção...Como aquele encontro...Que você me olhou...Deixando-me encabuladaCom o verso de amor...Murmurado em meus ouvidos.Ouço uma canção...Nela eu quero viver...A mais bela historia de amor...
Desconhecidos, eram duas almasQue agiam e pensavam iguais.Destemidos, não havia como impedir oEncontro entre esses tais.Imaginativos, podiam ser os dois que viviamEm lugares distantes.Impulsivos, são para sempre um do outroComo eternos amantes.A história deles ainda seráContada um belo dia,De como havia sido encontradaA grande alegria,Através de uma tela de computador, acredite,Aprenderam sobre como é o amor, não evite.Todo o suspense em virtude de nossos atos.Quando se encontrará,A verdade que surgirá.Tomo a primeira atitude, os primeiros passos.Aonde vamos nos encontrar,O destino não pode tardar.Alguém está andando?Nosso tempo está passando.O que estou falando?Nosso tempo está passando.Algo está faltando?Nosso tempo está passando.Tempo de amar,Tempo de querer,Tempo de alegar,Tempo de te ver.Desconhecidos, não mais serão,Tudo será lindo,Amados, em todo o nosso bem,A vida será linda.Depois desse amor por computadorNada mais será real e sim especial.
NA HORA DO AMOR
Suave encantamento
Na hora do amor
Chamas ardentes da paixão
Delírios e emoção
Olhares envolventes
Corações acelerados
Carinhos e malícias
Embriagados de desejo
Nossos sonhos e fantasias
Corpos entrelaçados
Momentos extasiantes
Nós dois assim
Na hora do amor!

O marido estava sentado quieto lendo seu jornal quando sua mulher,furiosa, vem da cozinha e senta-lhe uma frigideira nas idéias.
Espantado, ele levanta e pergunta:- Por que isso agora ?
- Isso é pelo papelzinho que eu encontrei no bolso de sua calça com onome Marylu e um número.
- Querida, lembra do dia em que fui na corrida de cavalos? Pois é…Marylu, foi o cavalo em que eu apostei, e o número foi o quanto estavampagandopela aposta.
Satisfeita, a mulher saiu pedindo 1001 desculpas…Dias depois, lá estava ele novamente sentado quando leva uma enormeporrada, dessa vez com a panela de pressão.
Ainda mais espantado (e zonzo), ele pergunta:- O que foi dessa vez, meu amor???- Seu cavalo ligou

cada segundo...

Cada segundo passa pelos meus pensamentose são contados pelo coração...É um tempo que o coração quer distânciapois o tempo carrega em si a saudade...Cada olhar,cada canção,é Você...O calor da tardea beleza no horizonteo frescor do ventotudo no mundoé Você...Cada perfume,cada flor,cada canto dos pássaros,é sua lembrança mexendo comigo...Cada sonho,cada anoitecer,é você...Todos meus sentidosbuscam Você,é Você a cada momentoa cada passo...Cada estrela no céué um pensamento em Você...Pois minha vida emeu grande amorÉ Você pekena...

A um ausente

Tenho razão de sentir saudade,tenho razão de te acusar.Houve um pacto implícito que rompestee sem te despedires foste embora.Detonaste o pacto.Detonaste a vida geral, a comum aquiescênciade viver e explorar os rumos de obscuridadesem prazo sem consulta sem provocaçãoaté o limite das folhas caídas na hora de cair.Antecipaste a hora.Teu ponteiro enlouqueceu, enlouquecendo nossas horas.Que poderias ter feito de mais gravedo que o ato sem continuação, o ato em si,o ato que não ousamos nem sabemos ousarporque depois dele não há nada?Tenho razão para sentir saudade de ti,de nossa convivência em falas camaradas,simples apertar de mãos, nem isso, vozmodulando sílabas conhecidas e banaisque eram sempre certeza e segurança.Sim, tenho saudades.Sim, acuso-te porque fizesteo não previsto nas leis da amizade e da naturezanem nos deixaste sequer o direito de indagarporque o fizeste, porque te foste

Alguns de nós envelhecemos, de fato, porque nãoamadurecemos.Envelhecemos quando nos fechamos às novasidéias e nos tornamos radicais.Envelhecemos quando o novo nos assusta.Envelhecemos também quando pensamosdemasiado em nós próprios e nos esquecemos dosoutros.Envelhecemos se paramos de lutar.Todos estamos matriculados na escola da vida,onde o Mestre é o Tempo.A vida só pode ser compreendida olhando paratrás. Mas só pode mesmo ser vivida olhando paraa frente.Na juventude aprendemos; com a idadecompreendemos…Os homens são como os vinhos: a idade estraga osmaus, mas melhora os bons.Envelhecer não é preocupante: ser olhado comovelho é que o é.Envelhecer é mesmo uma Graça de Deus!Nos olhos do jovem arde a chama, nos do velhobrilha a luz.Sendo assim, não existe idade, somos nós que acriamos.Se não acreditares na idade, nãoenvelhecerás até ao dia da tua morte.Pessoalmente, eu não tenho idade: tenho vida!Não deixes que a tristeza do passado e o medo dofuturo te estraguem a alegria do presente.A vida não é curta; as pessoas é que ficam mortastempo demais…Faz da passagem do tempo uma conquista e nãouma perda.

Cinza Manhã

Ventos sopram suavementeEm tempos estranhos vivoA vida passa feito um rioTesouros são seus enganosRepousados no coração humanoGaláxias passam em um instanteVago no distanteNo brilhante do infinitoMeus olhos não veem sentidoNa luz da luaVejo meus sonhos escurecidosPelas dores do mundoDesespero-me pesadelo de sonos que tem o teu saborPalavras já não são mais tão boasNo som que entoasE a paz que busco agoraVinda de outras garoasEncontra-se nos versos que escrevoNas amarguras desta manhã tão cinza

a voz do Silencio

Pior do que a voz que cala é um silêncio que fala.Simples, rápido! E quanta força!Imediatamente me veio à cabeça situaçõesem que o silêncio me disse verdades terríveis,pois, você sabe, o silêncio não é dado a amenidades.Um telefone mudo. Um e-mail que não chega.Um encontro onde nenhum dos dois abre a boca.Silêncios que falam sobre desinteresse,esquecimento, recusas.Quantas coisas são ditas na quietude,depois de uma discussão.O perdão não vem, nem um beijo,nem uma gargalhadapara acabar com o clima de tensão.Só ele permanece imutável,o silêncio, a ante-sala do fim.É mil vezes preferível uma voz que diga coisasque a gente não quer ouvir,pois ao menos as palavras que são ditasindicam uma tentativa de entendimento.Cordas vocais em funcionamentoarticulam argumentos,expõem suas queixas, jogam limpo.Já o silêncio arquiteta planosque não são compartilhados.Quando nada é dito, nada fica combinado.Quantas vezes, numa discussão histérica,ouvimos um dos dois gritar:"Diz alguma coisa, mas não ficaaí parado me olhando!"É o silêncio de um mandando más notíciaspara o desespero do outro.É claro que há muitas situações em que o silêncio é bem-vindo.Para um cara que trabalhacom uma britadeira na rua, o silêncio é um bálsamo.Para a professora de uma creche,o silêncio é um presente.Para os seguranças de um show de rock,o silêncio é um sonho.Mesmo no amor,quando a relação é sólida e madura,o silêncio a dois não incomoda,pois é o silêncio da paz.O único silêncio que perturba é aquele que fala.E fala alto !...É quando ninguém bate à nossa porta...não há recados na secretária eletrônica....e mesmo assim você entende a mensagem.(Marta Medeiros)
”Não é por termos liberdade que podemosmudar tudo à nossa volta, mas dispomos dafaculdade de dar sentido a tudo(o que é muito melhor)mesmo àquilo que não o tem!Nem sempre somos senhoresdo desenvolvimento da nossa vida,mas somos sempre senhores do sentidoque lhe conferimos”.

o vendedor de balões

Era uma vez um velho homem que vendia balões numa quermesse. Evidentemente, o homem era um bom vendedor, pois deixou um balão vermelho soltar-se e elevar-se nos ares, atraindo, desse modo, uma multidão de jovens compradores de balões. Havia ali perto um menino negro. Estava observando o vendedor e, é claro apreciando os balões. Depois de ter soltado o balão vermelho, o homem soltou um azul, depois um amarelo e finalmente um branco. Todos foram subindo até sumirem de vista. O menino, de olhar atento, seguia a cada um. Ficava imaginando mil coisas... Uma coisa o aborrecia, o homem não soltava o balão preto. Então aproximou-se do vendedor e lhe perguntou: - Moço, se o senhor soltasse o balão preto, ele subiria tanto quanto os outros? O vendedor de balões sorriu compreensivamente para o menino, arrebentou a linha que prendia o balão preto e enquanto ele se elevava nos ares, disse: - Não é a cor, filho, é o que está dentro dele que o faz subir...

inconfesso desejo

Queria ter coragemPara falar deste segredoQueria poder declarar ao mundoEste amorNão me falta vontadeNão me falta desejoVocê é minha vontadeMeu maior desejoQueria poder gritarEsta loucura saudávelQue é estar em teus braçosPerdido pelos teus beijosSentindo-me louco de desejoQueria recitar versosCantar aos quatros ventosAs palavras que brotamVocê é a inspiraçãoMinha motivaçãoQueria falar dos sonhosDizer os meus secretos desejosQue é largar tudoPara viver com vocêEste inconfesso desejo


Sou louco, enfim é verdade!Mas antes, quero esta loucura!Do que outro estado, sem liberdade!Porque sou livre! Neste estado, que perdura.

Louco! Mas quem é louco?! Eu?...Ou os outros que me perseguem?Tu também, o és. Nesse sentir teu.Eu sou! Mas sou, porque assim, louco me fizeram!
Tu tornas-te louco! Louco!... louco!…Eu não. Nunca fui de outro modo…Nasci louco e continuei… Mais um pouco!
Mas tu és louco e não eras!...Eu sendo, sempre louco, estou amando sem medo.Com amor de loucuras de outras, eras!
A maior solidão é a do ser que não ama. A maior solidão é a dor do ser que se ausenta, que se defende, que se fecha, que se recusa a participar da vida humana.A maior solidão é a do homem encerrado em si mesmo, no absoluto de si mesmo,o que não dá a quem pede o que ele pode dar de amor, de amizade, de socorro.O maior solitário é o que tem medo de amar, o que tem medo de ferir e ferir-se,o ser casto da mulher, do amigo, do povo, do mundo. Esse queima como uma lâmpada triste, cujo reflexo entristece também tudo em torno. Ele é a angústia do mundo que o reflete. Ele é o que se recusa às verdadeiras fontes de emoção, as que são o patrimônio de todos, e, encerrado em seu duro privilégio, semeia pedras do alto de sua fria e desolada torre.

Reinvenção

A vida só é possívelreinventada.
Anda o sol pelas campinase passeia a mão douradapelas águas, pelas folhas...Ah! tudo bolhasque vem de fundas piscinasde ilusionismo... — mais nada.
Mas a vida, a vida, a vida,a vida só é possívelreinventada.
Vem a lua, vem, retiraas algemas dos meus braços.Projeto-me por espaçoscheios da tua Figura.Tudo mentira! Mentirada lua, na noite escura.
Não te encontro, não te alcanço...Só — no tempo equilibrada,desprendo-me do balançoque além do tempo me leva.Só — na treva,fico: recebida e dada.
Porque a vida, a vida, a vida,a vida só é possívelreinventada.